GRA news
The rich live on the back of the poor.
They attack us globally. Our response should be global.
Enough. Let us help the weak, let us share. Be human.
GRA news
Money isn't the highest value. There must be something else.
They deny us our future. Let us deny them their rule.

O Grande Reset e o Grande Despertar [A Destruição do Capitalismo Global] - Entrevista com Alexander Dugin

 

 Por Alexander Markovics
Entrevista com Alexander Dugin sobre “O Grande Reset”.
 
 
A seguinte entrevista com o filósofo russo Alexander Dugin foi concedida em 2 de janeiro de 2021 pela revista alemã Deutsche Stimme (“voz alemã”). Na entrevista foi discutido sobre a nova estratégia globalista conhecida como "O Grande Reset". Como estávamos discutindo problemas políticos que têm muito a ver com o liberalismo, também decidimos abordar, de uma perspectiva filosófica, a ontologia orientada a objetos e as últimas teorias filosóficas do professor Dugin sobre o sujeito radical.
 
 
 
Caro Professor Dugin: A elite global está promovendo uma estratégia que eles chamam de "O Grande Reset" e que clama por uma espécie de reinicialização do capitalismo e de todo o sistema para criar um mundo pós-liberal que superará a crise do coronavírus. Para manter a Sociedade Aberta à tona, o capitalismo terá que ser muito mais sustentável, mas também muito mais repressivo, já que terá que expandir sua capacidade de controlar a vida diária das pessoas e criar um sistema de vigilância massivo. Qual a sua opinião sobre este novo projeto que visa salvar o globalismo?
 
Acho que esta não é precisamente uma nova estratégia, mas um novo termo dos globalistas. Na história da globalização, o termo reset é um conceito muito interessante. O conteúdo é o mesmo da Nova Ordem Mundial, globalização, Um Mundo, Fim da História, a promoção de valores ultraliberais. O conteúdo da Grande Reinicialização não difere muito do conteúdo da globalização, mas precisamos entender que a globalização não é apenas um processo tecnológico, geopolítico ou político, mas também um processo ideológico que une diferentes níveis. Por exemplo, isso significa que todos os países e todas as sociedades são transformados no Ocidente. Isso é muito importante.
 
A ocidentalização foi uma grande parte dessa globalização - porque essa é uma projeção dos valores ocidentais e da sociedade ocidental em toda a humanidade. Então, na globalização, o Ocidente é tomado como exemplo. O segundo nível de globalização é uma projeção da modernização na ocidentalização. Isso significa que é uma versão cada vez mais atualizada dos valores ocidentais - não os mesmos valores ocidentais de ontem. Este é um processo contínuo de alguma transformação especial, uma mudança dos valores e paradigma ocidentais. E isso é importante - é um processo duplo atualizar o próprio Ocidente e projetar uma versão atualizada. Essa é uma espécie de combinação pós-moderna do ocidental e do moderno.
 
A modernização não deve ser aplicada apenas a sociedades não ocidentais, mas a modernização também é um processo doméstico no Ocidente. Portanto, globalização também é modernização. O próximo nível deve ser uma mudança ideológica dentro da globalização liberal porque o liberalismo também é um processo. Não é apenas uma crença em algo eternamente estável, mas é a ideia de libertar o indivíduo de todas as formas de identidade coletiva.
 
 
Do que o indivíduo deve ser libertado?
 
Esse é um processo histórico. Tudo começou com a libertação da Igreja Católica. Depois disso, foi a libertação dos estados e do pertencimento a alguma sociedade da Idade Média, e depois disso foi a libertação do Estado-nação e de todos os tipos de identidades coletivas artificiais no século XX. E após a derrota do nazismo e do comunismo, deu-se o próximo passo - a libertação do homem da identidade coletiva de gênero. Essa foi a marca da transição para um novo tipo de liberalismo. Portanto, a política de gênero é essencial. Não é apenas secundário - é algo essencialmente embutido nesta lógica de desenvolvimento do liberalismo.
 
Portanto, o globalismo está essencialmente e naturalmente associado à política de gênero. Isso é extremamente importante. Isso faz parte dessa modernização da própria sociedade liberal. O próximo passo é transformar a identidade coletiva humana em uma identidade coletiva pós-humana, que é precisamente a agenda política de amanhã e que já começou a ser estabelecida hoje; essa é a lógica que a globalização segue; não se trata apenas de abrir fronteiras. A globalização é um processo muito profundo que contém várias camadas.
 
Mas o que há de novo na ideia da Grande Reset?
 
A novidade é o fato de que os estágios anteriores criaram oposições de diferentes tipos nas sociedades não ocidentais, especialmente nas sociedades não muito ocidentais e nem muito modernizadas como a Rússia e China. Alguns aspectos das características conservadoras dessas sociedades reagiram à globalização, e a defesa de sua soberania indica que a grande potência nuclear Rússia e a grande potência econômica China tornaram-se obstáculos nesse processo. Ao mesmo tempo, surgiram civilizações que tentaram reagir contra a imposição de valores liberais, modernistas e pós-modernistas. Essa foi uma reação orgânica e natural da civilização contra essa agenda ideológica.
 
Ao mesmo tempo, houve alguns erros econômicos e derrotas estratégicas na geopolítica, como na criação do projeto “Grande Oriente Médio” e na promoção de revoluções coloridas no mundo árabe, que não entregou os resultados exitosos que os globalistas esperavam . Então essa foi uma cadeia de falhas - falha após falha, e a última falha foi o surgimento do Trump.
 
Neste ponto, houve uma verdadeira rebelião dentro da sociedade americana que levou à rejeição da agenda globalista. A sociedade americana expressou seu desejo de preservar uma versão anterior da modernidade, liberalismo e democracia. Eles rejeitaram o processo de modernização e atualização que estava ocorrendo. Se trata de um  desafio interno contra esse processo. Não tem nada a ver com Putin ou com o aumento do populismo na Europa, mas sim com um tipo de divisão que existi no interior da sociedade Estadunidense.
 
Tudo isso colocou os globalistas em uma posição muito especial. Eles tentaram promover sua agenda, que se baseava na libertação do indivíduo de todo tipo de identidade coletiva. Eles ainda queriam projetar a ocidentalização; eles ainda queriam alcançar uma modernização cada vez mais forte e, assim, alcançar a destruição de todo tipo de identidade no Ocidente. Mas eles encontraram tantos obstáculos que não puderam prosseguir de forma normal, de modo que é uma espécie de sinal de emergência que disparou porque houve um acúmulo de poderes alternativos e atores de diferentes camadas - civilizações, além de soberanos, ideológicos , elementos culturais, geopolíticos, econômicos, mas também políticos, que criaram uma espécie de frente representada por Trump, Putin, o crescente Islã, Irã, China e de forma econômica a Belt and Road Initiative, a onda de populismo na Europa, uma espécie de divisão dentro da OTAN, desencadeada pela política independente e soberana de Erdogan.
 
Tudo saiu do controle. E houve uma espécie de crescimento de todos esses obstáculos no caminho para a globalização. Então, isso foi um desastre, uma catástrofe ao longo das últimas duas décadas, a partir de 2000. Isso levou ao fim do momento unipolar e a uma derrota crescente. Os globalistas perderam suas posições em todos os lugares, em todos os campos, e o golpe final foi desferido por Trump. Então o povo americano se juntou a esta batalha contra a agenda globalista.
 
Então, Donald Trump foi um desastre do ponto de vista dos globalistas?
 
Sim. Agora eles estão em uma posição crítica. Quando falam em reset, isso significa o retorno drástico e violento à continuação de sua agenda. Mas não é, ao que parece, algum tipo de processo natural de desenvolvimento do progresso. Tudo parecia quase garantido há vinte anos, e agora eles precisam lutar por cada elemento dessa estratégia, porque em todos os lugares encontram uma resistência crescente. Assim, os globalistas não podem mais implementar sua estratégia com os mesmos meios e métodos. E com isso eles querem dizer três palavras: Build Back Better (Construa Melhor). É uma espécie de slogan, uma palavra-chave. Volte - de volta para antes do momento antiglobalista - volte aos anos 90 e esteja em uma posição melhor do que naquela época.
 
Então, eles querem voltar no tempo para corrigir os erros cometidos no caminho para a Nova Ordem Mundial?
 
Sim. É uma espécie de chamado às armas para mobilizar todas as forças globalistas para vencer a última batalha em todas as frentes, para irromper em todos os lugares. Derrotar Trump é o primeiro objetivo. Eles querem destruir Putin, matar Xi Jinping, mudar o governo no Irã, envenenar Erdogan, desacreditar todas as variedades de populismo europeu, acabar com a resistência islâmica, destruir todas as tendências antiglobalistas na América Latina! Eles não farão isso pacificamente, mas usarão todos os tipos de meios totalitários.
 
Assim, o conceito de Reset tem o mesmo conteúdo da globalização, mas pressupõe uma série de ferramentas totalmente novas para implementar a agenda globalista. As ferramentas pelas quais eles aplicarão sua agenda serão, doravante, abertamente totalitárias. Eles vão tentar impor censura e usar pressão política, bem como toda uma série de medidas policiais concretas contra todos aqueles que estão do outro lado das barricadas. O Grande Rest é a continuação (uma espécie de continuação desesperada) da estratégia globalista fracassada que acabou entrando em colapso devido a todos os obstáculos que a impediam. Os globalistas não podiam aceitar seu fracasso. Estamos testemunhando a agonia de um dragão ferido que está morrendo, mas esse dragão ainda pode nos matar porque ainda está vivo. O último grito do dragão é o BBB - Build Back Better - e ele nos diz: “Mate todos os inimigos da Sociedade Aberta. Todos os inimigos da Sociedade Aberta devem ser mortos e, se vencerem por meio do processo democrático, devem ser torturados. É preciso abolir a democracia ”, ruge o dragão. “Todos os obstáculos têm que ser destruídos. Devemos destruir a Humanidade. Devemos colocar veneno nas vacinas. Temos que nos impor! " Estamos no meio de uma luta escatológica: a última batalha para deter a globalização.
 
E agora vemos que eles estão usando meios para implementar o Grande Rest que eles não teriam usado antes. Assim, para responder à sua pergunta: “o que é o Grande Rest?”, Podemos dizer que não é nada novo. É a mesma agenda globalista. Trata-se de um relançamento de sua ideologia, de seus valores, de seu desenvolvimento, mas por meio de meios totalmente novos. Agora está claro que será abertamente totalitário. Censura, repressão política, assassinatos, combates, demonização do inimigo, rotular como fascistas, loucos ou terroristas todos aqueles que são contra seus planos, etc., fazem parte dessa agenda.
 
Em primeiro lugar, eles vêem todos os seus inimigos como fascistas. Depois disso, eles começam a matá-los porque são fascistas. Ninguém investiga nada. Isso é apenas bolchevismo, assim como na Revolução Bolchevique ou na Revolução Francesa. Todos os que são declarados inimigos da revolução devem ser exterminados. Então isso é extermínio, e vemos nos Estados Unidos da América os primeiros estágios desta Grande Restauração. “Os globalistas perderam as eleições? Vamos destruir as eleições! Mate todos os manifestantes! Vamos olhar para todos aqueles milhões de pessoas se manifestando como uma pequena multidão de maníacos e fascistas! ” Eles estão destruindo todos os elementos da realidade, pois não se importam mais com a realidade. Bem-vindo ao novo totalitarismo imposto pelo Grande Reset!
 
Durante os protestos no Capitol em Washington, você usou o termo “Grande Despertar” como uma antítese do Grande Reset. O que você quer dizer com isso?
 
O Grande Despertar é um termo usado espontaneamente por manifestantes americanos, com Alex Jones e todos os outros. Esse foi um conceito que nasceu recentemente, quando o povo americano se tornou mais consciente da verdadeira natureza demoníaca dos globalistas. Isso causou muita preocupação, em primeiro lugar, entre os americanos que pensavam que tudo estava indo mais ou menos bem. Eles viviam na ilusão de que democratas e republicanos nos Estados Unidos representavam a mesma face da democracia liberal. Mas o Grande Despertar mostrou a eles que algo muito diferente existia por trás do Partido Democrata e que eles foram os organizadores de um golpe de Estado orquestrado por globalistas, loucos e terroristas.
 
Os democratas estão prontos para aplicar todos os tipos de medidas totalitárias contra o povo americano. Anteriormente, isso era inconcebível e impossível. Tudo isso começou com os quatro anos da presidência de Trump e culminou na fraude eleitoral que ocorreu nas últimas eleições: o Grande Despertar finalmente atingiu seu clímax. Por fim, a verdadeira natureza do Reset e dos globalistas é verdadeiramente compreendida. O povo americano estava completamente escondido dentro do sistema americano, mas agora existem duas coisas muito diferentes: a população americana (isto é, os trumpistas ou americanos comuns) e os Estados Unidos globalistas. Esta é a linha divisória entre a Grande Reset e o Grande Despertar.
 
O Grande Despertar só tem significado para os patriotas americanos ou também para nós?
 
Considerando que se trata de patriotas americanos na onda de protestos crescentes nos Estados Unidos, poderíamos comparar o significado universal da Grande Rest com um possível significado universal do Grande Despertar, porque a Grande Reset é o resumo de muitas tendências civilizacionais que havia sido preparado nos séculos anteriores. Não é apenas a má vontade de algum grupo de idiotas - É antes de tudo a acumulação de todos os elementos negativos e perversos da Modernidade. É a negação da natureza humana: a criação de ferramentas tecnológicas que aos poucos se tornam nossos mestres e, portanto, deixam de ser ferramentas. Então, tudo muda completamente quando a ferramenta se torna nosso mestre; essa é a singularidade, é a alienação e perda de toda identidade humana que vai acontecendo aos poucos ao longo da história: tudo começou com o triunfo do nominalismo que destruiu a identidade religiosa e agora eles simplesmente querem destruir o resto dos grupos de identidades que permaneceram . No momento, estamos quase perdendo nossa identidade humana. Ainda podemos ser humanos; é opcional por enquanto. Mas amanhã, se formos humanos, seremos considerados trumpistas ou fascistas, etc. É um processo que já está em andamento e que é a Grande Reset.
 
O Grande Despertar deve ser tão universal quanto ao Grande Rest. Não deve ser apenas uma reação do povo americano que finalmente entendeu qual é a verdadeira identidade cultural das elites democráticas que o governam hoje e dos globalistas que vivem em seu país. Se o Grande Reset tem um significado muito importante e está inscrita no que Heidegger chamou de Seinsgeschichte (o destino da história - o aspecto ontológico da história -), então o Grande Despertar deve se constituir como uma alternativa. Mas deve ser uma alternativa igualmente importante e não um processo superficial. Estamos lutando contra a globalização e a globalização é um processo muito profundo no nível metafísico e técnico. O mesmo é verdade para o liberalismo. Portanto, devemos pensar o que é moderno e o que é pós-moderno. Existe toda uma filosofia por trás do globalismo e para lutar contra esta filosofia, que é dominante em escala mundial (embora cada vez mais sofra de todos os tipos de problemas e falhas), precisamos criar uma alternativa. Por exemplo, precisamos fazer uma revisão completa das relações do Ocidente com o Oriente e do Ocidente com o resto do mundo. Precisamos consolidar aquele remanescente que existe tanto na Ásia quanto na Europa para lutar contra o domínio do Ocidente. É a passagem da unipolaridade à multipolaridade: o Ocidente terá que encontrar seu lugar nesta estrutura multipolar.
 
Precisamos destruir essa atitude eurocêntrica / centrada no Ocidente. Precisamos aceitar que existe toda uma pluralidade de civilizações e essa é uma das muitas características do Grande Despertar. Em segundo lugar, devemos pensar em geopolítica. Precisamos criar uma geopolítica multipolar. Não se trata apenas do poder marítimo do Ocidente contra o poder terrestre do Oriente, mas devemos também identificar quais são os poderes marítimos e os poderes terrestres que existem dentro do próprio Ocidente. Os Estados Unidos da América são um exemplo claro desta nova geopolítica. O poder terrestre existe nos Estados Unidos e é representado pelos Estados Vermelhos e pelos Republicanos Trumpistas, enquanto as áreas costeiras representam o poder marítimo. Isso implica uma mudança significativa em nossa visão da geopolítica. Além disso, não precisamos apenas lutar contra a política de gênero ou a desumanização, mas também devemos lutar contra o pós-humanismo ou o pós-modernismo. Precisamos rever e recuperar o que perdemos com o próprio início da Modernidade. Precisamos nos reapropriar do tesouro filosófico daqueles autores, filósofos, metafísicos e escolas de pensamento que abandonamos e deixamos para trás devido à Modernidade. Acho que é uma característica importante do Grande Despertar: o retorno de Platão; o retorno da antiguidade; o retorno da Idade Média; o retorno de Aristóteles; o retorno do Cristianismo; o retorno das religiões tradicionais: de todas as religiões tradicionais. Isso é tradicionalismo.
 
O Grande Despertar também deve ser o fato de compreendermos o que perdemos com a Modernidade. Portanto, não é uma continuação da Modernidade ou da Pós-modernidade. É uma revisão de tudo o que foi a Modernidade, uma revisão crítica feita tanto da esquerda quanto da direita. Precisamos fazer essa revisão da Modernidade. O Grande Despertar é uma espécie de programa filosófico e metafísico, um manifesto que identifica a Grande Reset como a personificação do mal absoluto. É a cristalização de tudo o que está oposto a ela. Não se trata apenas de defender os republicanos contra os democratas nas eleições dos Estados Unidos. É um conceito muito mais profundo e acho que agora temos o desafio de criar uma frente global comum que se reúna sob as bandeiras do Grande Despertar, onde os americanos serão uma ala e os populistas europeus outra ala. A Rússia em geral será uma terceira ala; é uma entidade angelical com muitas asas: uma ala chinesa, uma ala islâmica, uma ala paquistanesa, uma ala xiita, uma ala africana e uma ala latino-americana.
 
Portanto, devemos organizar este Grande Despertar que não pode ser baseado em nenhum dogma. Nosso próximo passo deve ser encontrar um lugar para as diferentes identidades existentes. Esta escatologia do Grande Despertar pode ser encontrada na mesma tradição cristã. Existem algumas figuras que devem aparecer antes do segundo retorno de Cristo e sua luta apocalíptica contra o Anticristo. O mesmo acontece na tradição xiita e na tradição sunita do Islã, ou na tradição indiana do Kali Yuga que nos fala sobre o fim deste ciclo e a luta do Décimo Avatar contra o Demônio do Tempo Invertido.
Agora, precisamos de outra tradição, outra maneira de entender as coisas, outra figura e outras imagens para entender este Grande Despertar. Agora estamos naquele momento. Não devemos rejeitar a Grande Reconstrução apenas do ponto de vista político ou econômico. Precisamos entender que este é um desafio muito maior. O Grande Reset é uma espécie de montagem conceitual na qual o Anticristo cavalga e para lutar contra ela precisamos ter uma arma espiritual que não deve existir apenas no nível da técnica. O material é importante, mas o espiritual é muito mais importante. Acredito que o Grande Despertar deve ser acima de tudo um despertar do espírito, um despertar do pensamento, um despertar da cultura, um despertar das nossas raízes (que tínhamos perdido quase totalmente), assim como um despertar da nossa tradição europeu, euroasiática, asiática ou islâmica. Eu entendo que o Grande Despertar está apenas começando como um processo de formação, criação e manifestação de uma nova compreensão espiritual da história, do presente e do futuro. Trata-se de organizar críticas radicais contra a Modernidade, centrismo ocidental, progresso tecnológico e revisão do conceito de tempo.
 
Você mencionou o importante tópico do transumanismo e também escreveu muitos artigos sobre a ontologia orientada a objetos de Reza Negarestani. Onde você vê o perigo resultante desses desenvolvimentos?
 
Acredito que a ontologia orientada a objetos é antes de tudo o lugar onde o verdadeiro objetivo da Modernidade é revelado e manifestado. É a linha de chegada da própria Modernidade, que até então vinha usando a liberdade do homem como justificativa para todas as suas ações. Mas com a ontologia orientada a objetos, finalmente alcançamos o verdadeiro objetivo da Modernidade, que nada tem a ver com a libertação da humanidade, mas com o aniquilamento da realidade, a destruição do homem, porque após a morte de Deus segue logicamente a morte do homem e essa era a agenda oculta da Modernidade. Essa agenda se torna evidente para nós com a ontologia orientada a objetos. Reza Negarestani, Nick Land, Miaso e Harman nos convidam abertamente a renunciar e deixar que a humanidade finalmente se aproprie das coisas em si, para que o objeto possa finalmente aparecer sem a existência do sujeito. Essa é a verdadeira face do materialismo. Portanto, o materialismo foi inspirado pela ontologia orientada a objetos. Este é o começo do materialismo e não o seu fim. Poderia ter acontecido muito antes, mas as coisas são como são e na história do Dasein, ou seja, na história da filosofia, a ontologia orientada a objetos apareceu agora. É precisamente por isso que agora somos convidados, como diz Nick Land, a destruir toda a humanidade e a vida na Terra. Antes, era apenas uma caricatura negra de tradicionalistas contra progressistas, porque o progresso sempre afirmou que estamos lutando pela libertação da humanidade, pela vida na Terra, ou do ser humano e pela liberdade. Agora aparece um grupo de pensadores mais progressistas, mais modernizados e mais futuristas. Eles nos dizem: “Não, nós não defendemos isso. O ser humano é fascismo. O ser humano é a imposição do sujeito sobre o objeto ”. Precisamos libertar os objetos dos sujeitos, isto é, da humanidade e, isso é o mais interessante, devemos explorar as coisas sem que o homem exista, sem que as coisas sejam uma ferramenta do homem, sem estar à mão, na terminologia heideggeriana.
 
Eles chegaram do outro lado do objeto. Onde, supostamente, deveria ser o vazio de nada, eles estão descobrindo outro sujeito. Eles são chamados de deuses idiotas de Lovecraft - os Antigos - as figuras que estão além dos objetos, mas ao mesmo tempo dentro deles. Assim, os objetos são liberados do sujeito humano, da humanidade, e abrem sua dimensão oculta, que é o verdadeiro Demônio. A ontologia orientada a objetos é uma espécie de premonição ou previsão do advento do Diabo filosófico. Então o Diabo filosófico está aqui do outro lado dos objetos, e ele aparece aos poucos na academia, nos estudos de gênero, e esse é o próximo passo depois da filosofia analítica que preparou o território para esse pensamento não humano - inteligência artificial que poderia existir sem humanos e sem vida na terra.
 
Portanto, com a ontologia orientada a objetos, estamos lidando com a verdade real, não com uma mentira. Pela primeira vez, a modernidade disse a verdade sobre si mesma. O que era antes era uma mentira da modernidade. A modernidade mentiu para todos. “Oh, nós somos a favor da humanidade. Somos a favor da vida. Estamos tentando libertar os seres humanos e a natureza do Deus transcendental fascista. ” Isso foi uma mentira e não a favor da humanidade, mas contra a humanidade e Deus. A ideia principal era libertar o Diabo das correntes com as quais estava preso no Inferno. Esta foi a libertação do Diabo, não do homem, e agora é o momento de libertar o Diabo da humanidade e da vida. E essa é a ontologia orientada a objetos que afirma isso de forma clara, aberta e explícita, e eles são filósofos orientados a objetos. Eles são a imagem espelhada dos tradicionalistas, porque os tradicionalistas sempre defenderam que a Modernidade tinha um aspecto diabólico e demoníaco. 
 
Portanto, para os tradicionalistas, a modernidade não era neutra. A modernidade foi desde o início uma criação satânica, e essa é a principal linha tradicional. Agora, aparecem entre as escolas de pensamento dos filósofos mais progressistas que dizem o mesmo, mas a favor de Satanás. Não é Aleister Crowley, nem as missas negras, nem LaVey - a verdadeira magia negra é a ciência e a cultura moderna. A civilização moderna é uma espécie de preparação para o advento do Anticristo. E a tradição islâmica a identifica como Dajjal. Os cristãos o veem como o Anticristo. Acho que esse apelo a Lovecraft, à magia negra e ao extermínio da humanidade e da natureza é revelado por Nick Land como a natureza real da ciência e da modernidade também, e é por isso que serve ao Grande Despertar.
 
A ontologia orientada a objetos é o outro lado do Grande Despertar, quando nossa consciência é despertada para o fato do que é o progresso na realidade. Mobiliza a nossa força espiritual, que desperta o resto da nossa dignidade humana, e essa é a verdadeira luta. Mas é muito melhor lidar com pessoas que falam a verdade sobre seus propósitos e princípios negativos do que com mentirosos. Então, dentro da mentira, surge a verdade mais radical sobre a vida. Por isso não poderia condená-lo da mesma forma que odeio a filosofia analítica, o positivismo ou as ciências naturais de Newton ou Galileu, que foram uma catástrofe pura e uma mentira sobre a natureza e a humanidade. Por exemplo, eu odeio Biden e Kamala Harris, mas não poderia odiar Reza Negarestani, Nick Land ou Harman, que são realmente satanistas conscientes. É sempre melhor lidar com a realidade do que desmascarar mentiras. Por exemplo, é muito mais fácil lidar com um progressista americano que declara abertamente que serve a Satanás e que Satanás deve governar o mundo. Por isso, sempre preferirei a verdade, mesmo que seja muito sombria e terrível, a uma mentira tranquilizadora que tenta acalmar nossos pensamentos. O mal nos ajuda a acordar porque é uma coisa terrível, e acho que os americanos estão experimentando esse horror com a ascensão de Kamala Harris e dos democratas. Quanto mais enfrentarmos o horror de frente, melhor.
 
Tudo isso nos leva a uma série de conferências de filosofia que organizou recentemente, chamadas Wozu Philosophen in dürftiger Zeit? (Para que servem os filósofos em uma época tão degradada?). Nessas conferências você apresentou o conceito de sujeito radical, que desenvolveu a partir do pensamento de Aristóteles e Johannes Tauler. Você poderia explicar aos nossos leitores em que consiste esse conceito?
 
Este é talvez o ponto mais importante de todos, especialmente quando entramos na luta entre o Grande Reset e o Grande Despertar. O conceito de sujeito radical está no centro de toda essa batalha. Os conservadores estão tentando salvar o sujeito humano, enquanto os progressistas querem abertamente destruí-lo com a intenção de impor a inteligência artificial pós-humana / não humana, o ciberespaço tecnológico e a ciberontologia. O problema do sujeito radical está no centro de toda essa disputa, pois os partidários do objeto radical não se contentam em continuar a considerar que o ser humano é o dono de seu corpo. O que eles estão tentando fazer é reduzir o ser humano a uma série de medidas, por isso estão tentando decifrar o genoma ou melhorar nosso DNA. Eles tentam transformar o homem em um número. Isso é  a medicina moderna, as vacinas modernas, a tecnologia moderna etc. fazem. Este é o seu objetivo: o homem é apenas uma forma de medir as coisas e ele não é realmente a medida mais perfeita de todas. E o problema central de toda a conferência foi que é impossível salvar e defender o "eu radical" enquanto continuamos a pensá-lo e entendê-lo da mesma forma que a Modernidade e a filosofia moderna fizeram. O sujeito moderno é um ser mutilado, é um ser insuficiente. O sujeito corta suas próprias raízes e para salvar esse sujeito periférico secundário é necessário primeiro enraizar o sujeito novamente. Não se trata apenas do que está dentro do sujeito, mas é preciso ir além de seu mundo interior. Devemos alcançar uma espécie de transcendência interior para salvar o sujeito que agora foi abandonado e destruído. Esquecemos algo que era muito importante. Esquecemos uma das partes mais importantes do nosso ser por termos perdido aquele mundo íntimo que existe em nós: em latim é conhecido como homo intimus. O que chamamos de intelecto é o que Aristóteles disse ser inteligência passiva. Assim, não usamos mais nosso intelecto ativo, que era muito importante para a tradição escolástica medieval. Minha ideia é esta: devemos voltar ao sujeito radical ou restaurá-lo. Essa deve ser nossa prioridade. Exigimos o retorno do intelecto ativo para lutar radicalmente contra todos os desafios que o sujeito enfrenta hoje. Na minha opinião, não podemos defender e salvar o sujeito não radical, que ainda existe, sem antes restaurar o sujeito radical que desapareceu há muitos séculos do próprio campo da filosofia. Portanto, a redescoberta da inteligência ativa em nossas almas e em nossos corações é muito semelhante à redescoberta do espírito absoluto de Hegel e Schelling, ou Fichte, com sua compreensão do "eu absoluto". Acredito que a melhor forma de restaurar o sujeito radical é por meio da filosofia clássica alemã, que foi pervertida pelo hegelianismo de esquerda, pelo marxismo e por tantos outros sistemas que se baseavam nela. Primeiro, precisamos redescobrir a dignidade dessa filosofia nos voltando para Heidegger, bem como outros filósofos alemães. Devemos redescobrir Aristóteles por meio da fenomenologia. Precisamos reavaliar a filosofia da Modernidade considerando como o sujeito radical se perdeu em cada uma de suas etapas e devemos complementar a imagem que temos do mundo voltando a Santo Agostinho, Dietrich von Freiberg e outros filósofos como Tauler, Meister Eckardt ou von Suso, bem como Paracelsus e Jakob Böhme. Todos eles tiveram uma clara compreensão e experiência deste "eu radical", e acredito que não seja apenas um ramo especial da filosofia, nem acho que seja algo arbitrário. É o centro de tudo, é um elemento incontornável e é o principal problema da filosofia. Portanto, o principal meio de salvar a humanidade é salvar o sujeito radical que foi, por muitas centenas de anos, esquecido e marginalizado pela filosofia. Somente quando o intelecto ativo é reabilitado, podemos nos preparar para lançar a batalha final contra a filosofia orientada a objetos e o progressivismo. A principal arma teórica do Grande Despertar Trumpista deve ser a filosofia. Filosofia alemã, filosofia grega, tradição filosófica ocidental lutando para salvar o Ocidente. Todos eles lutam para proteger a cultura indo-europeia. Portanto, devemos conhecer seus princípios. Caso contrário, a luta estará perdida desde o início. Acredito que se não reabilitarmos o sujeito radical, não conseguiremos conquistar a vitória.
 
Portuguese, Brazil
English Dutch French German Italian Portuguese Russian Spanish