GRA news
The rich live on the back of the poor.
They attack us globally. Our response should be global.
Enough. Let us help the weak, let us share. Be human.
GRA news
Money isn't the highest value. There must be something else.
They deny us our future. Let us deny them their rule.

NEUTRALIZAÇÃO E SEUS LIMITES. SISTEMA POLÍTICO DA RÚSSIA MODERNA

A configuração do poder na Rússia moderna: centralismo.

Do ponto de vista da lógica formal, na situação atual, a configuração do poder na Rússia é geralmente muito boa. Existe um líder forte, existe uma estrutura de gestão centralizada que funciona bem e se opõe à entropia, ao separatismo e à decadência. Há um controle total estabelecido por Putin sobre as principais indústrias estrategicamente importantes, formalizado legalmente ou com base em acordos intra-sistema que são estritamente observados. Nunca ocorreria a ninguém hoje – ao contrário dos anos 90 – questionar isso e desafiar o próprio sistema.

Do ponto de vista do Estado no estágio histórico atual, tal estrutura de poder é ótima. O nível de centralização e concentração de poder nas mãos do governante é suficiente para manter a soberania, e isso já é muito. Claro que nisto, se quiseres, podes encontrar lacunas e excessos significativos, mas em geral, com uma certa abordagem e face à necessidade de preservar a sua soberania, todos se justificam pela difícil situação em que a Rússia se encontra em si.

Isso é especialmente importante quando você considera que a situação estava longe de ser a mesma nos anos 1990 e no início dos anos 2000. Na década de 1990, existia o seguinte equilíbrio na Rússia entre os principais centros de tomada de decisão e as forças motrizes da sociedade:

1. Estruturas supranacionais – globalistas, ocidentais – tinham importância acima do estado nacional, e havia, de fato, controle externo da Rússia pelos curadores do Ocidente e as elites governantes completamente leais ao Ocidente e ao liberalismo.
2. Os grupos criminosos controlavam quase completamente as agências de aplicação da lei.
3. Os representantes da oligarquia dirigiam o aparelho do Estado e uma burocracia totalmente corrupta.
Embora se chamasse “democracia”, o povo e a sociedade não influenciaram nenhum processo. Tudo foi decidido pelo Ocidente, pelos oligarcas e – a nível local – pelos clãs criminosos.

Ao longo dos 20 anos de governo de Putin, esse modelo foi completamente destruído e virado de cabeça para baixo. Agora podemos afirmar que:

1. A Rússia segue uma política soberana independente do Ocidente, que é consagrada de jure na nova edição da Constituição e existe de fato, contando com potencial de poder suficiente (soberania real – e não apenas formal.
2. Os clãs criminosos são totalmente controlados pelas estruturas de poder e dependem delas
3. os oligarcas não podem gerenciar aberta e diretamente a burocracia e excluídos de qualquer influência na política era.

O imperativo do autoritarismo

A substituição do modelo dos anos 90 pelo modelo de Putin é, sem dúvida, uma conquista colossal no fortalecimento do Estado. E a agudeza dos problemas acumulados no final dos anos 90 permite falar de fato sobre a salvação da Rússia da catástrofe inevitavelmente iminente.

Ao longo dos 20 anos de governo de Putin, o poder foi centralizado em uma mão, ou seja, foi criado um sistema monárquico autoritário. Este é o sistema ideal para a Rússia. É historicamente justificado, geopoliticamente incontestado e decorre da complexa estrutura dos territórios, da população e, consequentemente, da totalidade dos imperativos estratégicos de defesa.

Foi para esse sistema que todos os sistemas ideológicos da história russa foram direcionados de uma forma ou de outra: czares, comunistas, democratas. Onde quer que os representantes desta ou daquela força política começaram, eles inevitavelmente chegaram ao autoritarismo. A governança autoritária é geralmente inevitável no caso de grandes massas sociais, no formato de Impérios. Mais cedo ou mais tarde, surge a questão da centralização do poder e da presença de verticais estratégicas que penetram com raios todo o sistema do Estado. Portanto, do ponto de vista formal, parece-me que a missão de Putin foi cumprida e o sistema centralista foi criado.

Considerando que o sistema soviético havia perdido seu controle centralista ao final de sua existência, e a posterior desintegração do Estado estava em pleno andamento nos anos 90, as reformas de Putin foram necessárias, inevitáveis ​​e eficazes.

Um estado sem ideia, ética e gente

Mas há outro aspecto mais sutil de todo o problema da estrutura do Estado. Com a centralização prevalecente e levando em consideração os sucessos no cumprimento das tarefas de fortalecer a Rússia no poder, o próprio Estado está completamente ausente:

1. ideia;
2. ética;
3. levar em consideração a existência e a vontade das pessoas (ou seja, a justiça social).

Apesar de todo o valor da soberania e soberania, os governantes modernos da Rússia perdem completamente de vista o fato de que o estado ainda não é um valor intrínseco, mas uma espécie de armadura na qual o coração vivo do povo está acorrentado. O estado é a expressão terrena da ideia mais elevada. Deve ter como base a ética e um vetor moral.

Tudo isso está completamente ausente hoje. Apesar de o estado ser centralizado e levado a uma forma efetiva, ele é completamente destituído de espírito, ou seja, de idéias e pensamentos. O poder não pensa – e nem mesmo tenta pensar. Tudo está subordinado à eficiência prática. O poder acredita que, se isso acontecer, não é necessário pensar. Se for, então isso por si só justifica sua existência. Assim, o governo se torna, de certo modo, contrário à ideia.

Além disso, o estado russo moderno é completamente desprovido de moralidade. Nenhuma vida cultural genuína e profunda flui nele. Não há alma em tal estado.

O povo como conceito, como sujeito da história, está ausente, mas aparecem “população”, “contribuintes”, “empregos”, etc.

Acontece que o Leviatã foi realmente criado, uma espécie de monstro soberano de ferro sem mente, alma e ética.

Em geral, precisamos levar isso de forma realista. Na verdade, isso não é tão ruim, porque quando não há um organismo forte e soberano ou mesmo um mecanismo, o povo facilmente se torna uma vítima. E então a alma sutil, o espírito sutil do povo também não pode se abrir livremente, uma vez que o próprio povo está escravizado. Portanto, o Leviatã russo não deve ser negligenciado e tratado com leviandade. O estado é, em todo caso, uma coisa necessária.

A partir disso, fica claro por que o Império é tão importante no entendimento russo, por que é um dos nossos valores mais elevados.

Mas, por outro lado, hoje nada impede nosso governo de cuidar de coisas fundamentais – sobre a ideia, a ética e as pessoas. Além disso, a falta de atenção a eles dá origem a um grande número de excessos e cria as condições para a vulnerabilidade deste, em geral, um sistema centralista bem construído. Vemos hoje como a estupidez impenetrável, a corrupção desenfreada e um nível zero de senso de justiça social por parte das autoridades criam ameaças internas crescentes na sociedade. Tão lindamente construído – formalmente – o mecanismo do sistema político com a centralização de todas as áreas-chave está sujeito a erosão interna.

Hoje, é precisamente a ausência de uma superestrutura mais refinada que ganha destaque no plano político. E justamente porque as consequências catastróficas dos anos 90 já foram eliminadas. O hardware é manipulado, mas o software nele é inutilizável, porque não há ideia, não há ética, não há preocupação com as pessoas, não há nem mesmo uma ideia das pessoas como tal.

Em tal situação, tudo isso é deixado à mercê de pessoas aleatórias que conseguem se fazer passar por “administradores eficazes”. Este é um critério importante para o lado técnico da questão. Mas completamente inaplicável e abertamente enganoso para resolver problemas mais sutis. Portanto, todo o – bastante bom – sistema político começa a apodrecer, o que cria as pré-condições para sua crescente vulnerabilidade.

O estado é sempre uma construção artificial: Criação em modo de emergência

Deve-se ter em mente que todos os estados são criados exclusivamente artificialmente. Atrás de cada instituição política existe um certo momento histórico, no qual as respostas são dadas a certos desafios agudos. Quem dá a resposta, que acaba sendo correta, passa a ser o chefe do Estado, que formata. No centro de tudo está o sujeito e sua vontade. Na maioria das vezes – coletivo e com base em uma certa ideologia.

FILÓSOFO ALEXANDER DUGIN. FOTO: PRAVDA KOMSOMOLSKAYA / GLOBALLOOKPRESS

O sistema monárquico também foi uma construção. Ele se desenvolveu historicamente com base no fortalecimento do grão-ducal, então – o poder real. A adoção da Ortodoxia desempenhou um papel importante. Ao mesmo tempo, o próprio Estado foi repetidamente reconstruído pela elite dominante – tanto na antiguidade quanto em períodos mais próximos de nós. Portanto, a Rússia pós-petrina era significativamente diferente da Rússia moscovita e, por sua vez, da era mongol e do período pré-mongol. E a cada vez novas decisões eram tomadas sobre a construção do Estado, sobre a ideia dominante, sobre a ética dominante, sobre o lugar e o papel do povo russo na história.

No século XX, o sistema soviético foi criado. E foi artificialmente construído pela elite revolucionária bolchevique. Nas condições de desintegração e entropia do sistema monárquico, das dificuldades da Primeira Guerra Mundial e do acúmulo de problemas não resolvidos pelo czar, os bolcheviques tomaram o poder e criaram – construíram – o estado soviético. Foi algo artificial. Sim, os bolcheviques aplicaram-se às circunstâncias, adaptaram-se à situação e, por vezes, compararam duramente as protuberâncias da paisagem histórica, social ou cultural com métodos totalitários, alinhando-os com as suas ideias ideológicas.

Esta construção do estado durou 70 anos, então – no final da era soviética – parou de funcionar.

Foi assim que os liberais chegaram ao poder. E novamente eles começaram a reconstruir artificialmente o estado. No entanto, desta vez os reformadores não estavam tanto construindo algo novo, mas destruindo e saqueando o antigo. A maioria da elite governante permaneceu no poder desde o final da era soviética. Este legado, a “memória metálica” do período soviético, os restos das instituições soviéticas continuam a viver em plena medida em nossa sociedade – degradando, degenerando, não transformando e não transformando.

A tentativa de refazer o sistema político durante a era Yeltsin foi, no sentido pleno da palavra, um desastre. Esse período dos anos 90 vai entrar – já entrou! – em nossa história como um mal absoluto. Algo como o Tempo das Perturbações ou a Guerra Civil. Divisão, colapso, degeneração, tomada de poder pelos elementos mais básicos e malditos.

Em vez de construir algo novo, os liberais começaram simplesmente a destruir e saquear o antigo. Foi um menos líquido.

Putin herdou os resquícios da inércia e da destruição soviética, que trouxeram as bacanais dos liberais dos anos 90. E a partir do que foi, ele começou a criar um sistema operacional.

E novamente era uma construção artificial do que estava à mão. Putin, como um encanador atencioso e zeloso, eliminou o acidente na linha. De repente, todos os encanamentos estouraram, todos os elevadores caíram, todos os trens pararam. Uma situação catastrófica se desenvolveu no estado. Água fria ou fervente derramou por toda parte, as comunicações irromperam, as paredes estavam desmoronando e gangues predatórias de oligarcas, bandidos e oficiais que haviam perdido a cabeça por ganância, covardia e ganância corriam por aí. Na verdade, a Rússia durante o período de Yeltsin foi levada pelos liberais a um estado incompatível com sua existência posterior. O país começou a realmente se desintegrar.

Putin assumiu a responsabilidade por todas essas catástrofes, que se acumularam no final do período soviético, e devido à destruição do Estado nos anos 90, quando ocorreu a destruição bárbara da Rússia, e a partir do que aconteceu, ele tentou montar o mecanismo de operação. Em geral, foi bem-sucedido. Foi assim que o Estado russo foi reiniciado mais uma vez.

Outra coisa é que embora esse mecanismo não esteja carregado com nada, ele não está saturado. Ou seja, o corpo foi salvo e, enquanto estava sendo resgatado em modo de emergência, não cabia à alma, nem ao conteúdo. No entanto, se esse mecanismo continuar a ser preenchido com nada, então essas colagens, essas costuras, com a ajuda das quais a atual Federação Russa foi estabelecida, a “corporação Rússia”, da qual foi rapidamente montada, se dispersará novamente. Então, outra catástrofe é inevitável.

Quando um grupo de resgate de emergência é forçado a eliminar imediatamente o acidente, eles não sabem como tapar os buracos. Aquele que vem primeiro à mão. Assim, um número significativo de detalhes supérfluos, pessoas supérfluas estavam novamente no poder. Conformistas, vigaristas e elétrons livres foram necessários em algum estágio. E eles entraram no sistema de acordo com o princípio “do que era”. Mas muitos ficaram presos lá. E essas partes dos resíduos de construção, úteis na etapa anterior, resíduos de produção, pontas de lubrificação foram integradas na estrutura, imaginando-se “estatistas”. Esses são custos inevitáveis ​​de qualquer projeto. Mas hoje eles são uma ameaça real.

Vladislav Surkov: da democracia soberana à nação profunda

O exemplo mais claro de um consumível em face de uma liquidação de emergência de um acidente estatal foi o ex-ideólogo de Putin, Vladislav Surkov. A evolução desta figura é indicativa. No início, ele parecia um apparatchik cinza, dotado de um poder incrível, astúcia notável e a habilidade de se esquivar habilmente de qualquer dificuldade, mas ainda um de um número infinito de tons de cinza. Hoje – em comparação com aqueles que assumiram seu cargo mais tarde – ele parece um pavão multicolorido. Mesmo os detalhes desnecessários estão gradualmente se tornando superficiais …

Com Surkov, na época em que surgiu a tese da “democracia soberana”, cooperei estreitamente. É verdade que delineei imediatamente minha posição, ressaltando que certamente estou próximo da soberania em todos os seus sentidos, enquanto a democracia nessa combinação é opcional. É soberania possível e justa, mas se é preciso agregar democracia, que seja soberania. A soberania da Rússia está acima de tudo e justifica tudo (ou quase tudo). Nesse conceito, era assim – a soberania estava claramente colocada na linha de frente. Soberania significa total independência, liberdade de como definiremos e projetaremos nosso sistema político. Este é o ponto principal da reforma de Putin para restaurar o Leviatã russo. Putin está sempre perseguindo isso, o que é correto.

Surkov tentou dar a isso um caráter mais sistemático, para elevá-lo ao status de um conceito. E, como de costume, ele acrescentou a democracia no espírito de suas meias-medidas habituais (“cem tons de cinza”). Para apaziguar a comunidade liberal. Não se acalmou e não acreditou. Provavelmente não acreditei corretamente. Há soberania na Rússia de Putin, mas não há democracia. Talvez seja bom que seja. Porque talvez não precisemos disso. Não estou afirmando categoricamente, estou simplesmente afirmando: não há democracia – isso é tudo. Alguém está triste, alguém não liga. E alguém está feliz. Não importa.

Portanto, a soberania desse conceito de “democracia soberana” foi realizada e continua a ser realizada, enquanto o componente “democrático” ficou um pouco preso. Mas, ao mesmo tempo, o liberalismo está longe de ser obsoleto. A democracia liberal, não como uma realidade, mas como uma ideologia das elites – especialmente econômicas e culturais – ainda está aqui, e nos fere e nos atrapalha muito. Surkov tentou criar uma fachada de “democracia” (com a tímida condição de que não pode deixar de ser “soberana” em nosso país, caso contrário não haverá nenhuma) para o Ocidente, mas ninguém acreditou nela. Sim, e por dentro ninguém acreditou – e não acredita. Ainda guardamos este invólucro para algo. Assim, sob o conceito de “democracia”, Surkov procurou enviar um sinal aos liberais ocidentais e russos. A ideia era criar um meio-termo. Mas nada disso aconteceu.

Mas Surkov, estritamente falando, realmente não tentou. Eu sugeri a ele: vamos publicar matérias mais sérias do que notícias, começar a desenvolver isso seriamente como uma teoria política, criar um laboratório intelectual que construirá com precisão aqueles territórios dentro dos quais o conteúdo da democracia será descrito, o que não contradiz soberania e patriotismo , e, portanto, não liberal – não liberal – democracia: ele não prestou atenção a isso. A seu pedido, formalizado como uma proposta de Putin, escrevi todo um livro-texto “Ciências Sociais para Cidadãos da Nova Rússia”, em que a democracia soberana foi conceituada de forma mais completa. A propósito, as autoridades gostaram do livro didático, mas me disseram que o público liberal e … a máfia, lucrando com os negócios, tornou-se um muro no caminho de sua implementação. relacionadas com a impressão de literatura educacional obrigatória. Ou seja, a hidra ainda é forte, e até a administração presidencial foi forçada a recuar diante dela.

Perto de 2008, Surkov perdeu o interesse nisso. Uma vez que ele colocou desta forma: “democracia soberana” é como um hit da temporada, você não pode tocar a mesma música por muito tempo. É hora de pensar em outra coisa … Falamos sobre democracia soberana – vamos passar para outra coisa. É assim que as autoridades tratam levianamente, de forma residual, ideias, ideologia, conceitos. Mesmo para aqueles que ela mesma apresentou.

Mais tarde, já tendo renunciado a seus cargos no poder, Surkov propôs um novo conceito – “gente profunda”. Eu escrevi muito sobre o estado profundo, assim como o cerne do “estado soberano”, e sobre as “pessoas profundas”. A justificativa do povo – o povo russo – como sujeito da história está na base do próprio livro “Ciências Sociais”, que mencionei.

O fato de Surkov ter adotado o conceito de “gente profunda” é encorajador. Em geral, Surkov recentemente tentou se apresentar como um “patriota”. Ele não é muito convincente nisso, já que constantemente resvala no pós-modernismo e no estilo de cinismo liberal. Mas de vez em quando ele surge com aquelas teses que ele mesmo havia anteriormente ridicularizado ou distorcido de forma irreconhecível.

Mas aqui você não pode julgá-lo com severidade. Se esta é sua evolução sincera, então isso é bom e ele deve ser apoiado nisso. Claro, suas estratégias pós-modernas, quando ele estava no Kremlin e constantemente misturava patriotas e liberais, forçava os liberais a fazer discursos patrióticos, e os patriotas, ao contrário, mudavam na direção liberal (quem não queria, ele marginalizou ou destruiu) , eram, para dizer o mínimo, duvidosos. Afinal, tendo misturado todos com todos, ele também contribuiu para a neutralização da vida pública. Foi assim que se deu o “zeramento”, sobre o qual ele mesmo escreveu um romance com o expressivo título “Perto do Zero”.

Ele saiu e por um momento pareceu que o pior havia passado … Mas depois de sua saída de seu posto na política interna, a vida ideológica parou. Na verdade, ela parou.

Surkov tentou “fechar” os lados opostos um do outro para obter um resultado zero sem causar um curto-circuito. E seus sucessores pararam até mesmo de imitar qualquer tipo de atividade ideológica.

Tenho uma atitude ambivalente em relação ao período Surkov. Por um lado, é bom que tenha havido pelo menos uma imitação de pensamento. Isso, é claro, não inspirava confiança. Mas é melhor assim do que nada, isto é, como é hoje.

A propósito, as teses que Surkov apresenta hoje e que são patrióticas, em defesa do “povo profundo” ou da “soberania da Rússia”, apoio e saúdo. De quem eles vêm. Pelo menos do “demônio”. Se o “diabo” diz coisas a favor de fortalecer a soberania da Rússia, sua condição de Estado, proteger seu povo, é claro, devemos procurar o truque, mas, mesmo assim, essas próprias teses não se tornam falsas. E eles precisam ser apoiados.

Não podemos desistir da verdade como tal só porque foi posta na boca de pessoas duvidosas e não muito autorizadas.

Domínio transcendental sobre os três ramos

Na democracia clássica, tudo se baseia na distribuição de poderes entre os três poderes do governo – legislativo, executivo e judiciário. A falta de equilíbrio entre eles facilmente leva a uma crise.

Em nosso sistema estadual, esse perigo é improvável. O equilíbrio entre os três ramos é mantido às custas da autoridade transcendental, que é representada na pessoa de Putin. Este, em minha opinião, é um modelo monárquico-autoritário muito correto. E o poder executivo na pessoa do governo, e o poder legislativo na pessoa da Duma do Estado, e mesmo o poder judiciário na pessoa do Supremo Tribunal Federal, não têm hoje nenhuma subjetividade. E isso é ótimo. Porque a subjetividade imperiosa não está neles – não em geral, não individualmente – mas em outro lugar. Ela está em Putin.

É Putin quem harmoniza, reconcilia e constrói, a partir de sua posição transcendental, a interação dos três ramos do governo. Isso só é possível porque seu poder é o mais alto poder e está acima do executivo, legislativo e judicial. É por isso que, em primeiro lugar, o judiciário, pelo menos o Tribunal Constitucional, está perdendo amplamente o seu significado.

O tribunal constitucional realmente faz sentido onde simplesmente não há poder transcendental para, de alguma forma, equilibrar as disputas entre o governo e o parlamento. Mas como nosso governo e parlamento têm, além do primeiro-ministro e do presidente da Câmara, uma figura ainda superior a eles, ou seja, o presidente, a função do Tribunal Constitucional torna-se puramente técnica e perde sua carga política.

Sabemos como a Duma de Estado depende de Putin, como todos os partidos dependem de Putin. Eles existem apenas por causa de seu consentimento de que existem. Eles estão, estão presentes no parlamento e são chefiados por aqueles que estão à frente, só porque Putin concorda com isso, ou mesmo é isso que ele quer. Mesmo quando criticam Putin, eles o fazem em estrito acordo com ele. Portanto, é claro, a subjetividade é mínima aqui. E nas condições atuais, na minha opinião, isso é maravilhoso. Isso ajuda a neutralizar os riscos.

No que diz respeito ao governo, há novamente um poder transcendental que transforma todo o governo, incluindo o primeiro-ministro, em executores puramente técnicos. Putin é pessoalmente responsável por questões estratégicas, política internacional, defesa e, em muitos aspectos, economia. E as pessoas que são responsáveis ​​por isso no governo apenas cumprem as suas instruções.

Portanto, no Leviatã russo simplesmente não existem três autoridades que poderiam construir um modelo de interação entre si. Existe um poder, espalhando-se em três canais. E para a atual realidade russa, isso é ótimo.

Putin aderiu a esse sistema durante a liquidação do estado de emergência nos anos 90. Ele fortaleceu a Duma com funcionários não correspondidos completamente leais a ele (Rússia Unida), expulsou os liberais (SPS), congelou a inofensiva e obediente “esquerda” (Partido Comunista da Federação Russa) e “direita” (LDPR) e apimentou Mironov completamente sem sentido (hoje seu partido é chamado de abreviatura impronunciável). Todos são neutralizados e totalmente controlados. E ótimo. Não há nada a dizer sobre o governo, ele é formado por aqueles que Putin vai tirar. E o Tribunal Constitucional não tem quem julgar e nada, Putin já julgou tudo.

Outra coisa é que tudo isso está se tornando cada vez mais sem sentido. A fachada dos três poderes é uma homenagem aos critérios ocidentais de democracia. Não há nada de soberano nisso. A única coisa soberana em tal sistema é que ele não é, de forma alguma, dotado do menor traço de subjetividade. Ou seja, isso não é democracia, mas uma paródia vazia. E tal modelo simplesmente não pode ser sem sentido se estivermos falando seriamente sobre soberania.

A soberania requer neutralização. Durante a liquidação do sinistro, tudo isso se justificou. Mas o acidente foi no mínimo liquidado. E então acontece que, no decorrer do trabalho de resgate, todo o material em mãos foi utilizado, inclusive os que estavam longe do ideal. Assim, o melhor segue o caminho da inimizade com apenas o bom, ou seja, mais precisamente, não tão ruim quanto nos anos 90.

As três potências da Rússia moderna são um presente medíocre e um passado terrível opressor. Mas nisso não há futuro. Nisso não há ideia, nem ética, nem pessoas. Este é um simulacro – útil, mas gradualmente desaparecendo de sua utilidade.

E tudo novamente depende de uma pessoa. Se Putin pensa seriamente no futuro, chama a atenção para o fato de que o estado deve ter espírito, ética e alma, deve haver a vida do povo (e não apenas sua sobrevivência), então todos os demais – seus subordinados – serão forçado a pensar sobre isso.

Se em nosso país tudo é decidido por uma instância que é transcendental em relação aos três ramos do poder, então ele toma uma decisão sobre a futura estrutura do Estado – sobre a Rússia do futuro.

Sucesso na neutralização e previsibilidade de uma escolha feita deliberadamente

Essa estrutura de Estado russo tem margem de segurança? Este é o problema mais urgente. Em certo sentido, é um segredo de estado.

Formalmente, é óbvio que Putin está no controle da situação. Os resultados das eleições e o apoio geral ao regime serão o que Putin exige. É por isso que ele é um poder transcendental de governar tudo. Se tivéssemos uma política, teríamos nos perguntado: vai passar – não vai. E como tudo está neutralizado, não há necessidade de adivinhar.

Tudo se neutraliza conosco. Tanto o mau como, infelizmente, o bom, mas o melhor é geralmente proibido.

Navalny foi neutralizado e agora seus apoiadores também estão neutralizados. O eleitor russo também foi neutralizado. Vivemos em uma sociedade de neutralização do Estado. Todos fomos neutralizados e não podemos representar uma ameaça para o país. Há lados claros e escuros nisso. Podemos nos alegrar porque a ameaça se foi. Mas, em certo sentido, também não somos nós mesmos … Como cidadãos, com certeza.

E o Rússia Unida é precisamente a instituição que simplifica a neutralização. A festa não vem com nenhuma ideia, porque é impossível pensar, com qualquer ação, porque também é impossível agir. É apenas uma disciplina, como nos esportes. Eu gosto, eu não gosto disso – bombeie seus músculos, corra, pule.

Da mesma forma, com um eleitor, goste ou não, esteja irritado ou indiferente, vá e vote. Tem gente que não liga, mas tem gente que está amargurada. Mas todos disseram: sente-se em posição de lótus e relaxe. E essa “posição de lótus” é chamada de “eleições”.

Do ponto de vista da conveniência do estado, todos devem votar exatamente da maneira que vão votar.

Navalny, do ponto de vista da mesma conveniência de estado, deveria descansar e mudar de idéia por enquanto. Se ele não quiser mudar de ideia, será estendido o tempo de “descanso”. É disciplina, esporte, se quiser, ginástica política de poder. O que eles quiserem, eles escolherão. Porque a escolha foi feita.

Transição para o Império

Estamos em um estado em que a primeira fase de salvar o estado após o final do sistema soviético e as subsequentes bacanais liberais dos anos 90 foi concluída. Uma certa controlabilidade, ordem e estabilidade foram restauradas. A queda no abismo é evitada. Mais precisamente, não estamos nos precipitando para o abismo. Nós congelamos sobre ela. Eles congelaram. E não caímos, o que é alegre.

E agora a segunda fase está chegando. Consiste no fato de que é necessário preencher esse mecanismo, que se pode dizer, já está funcionando, de conteúdo e de sentido.

Não podemos aplicar os critérios ocidentais à política e à história política russa, porque eles não nos combinam de forma alguma. Tanto a sequência quanto o significado desses eventos são completamente diferentes para nós. Portanto, não podemos dizer que estamos caminhando para a liberalização, para a modernização, para as reformas, para a ocidentalização, para a democratização. Tudo isso não faz sentido, mesmo nos países ocidentais, e ainda mais inaplicável para nós. Não há significado universal no movimento do velho para o novo, nenhum vetor inequívoco de progresso existe. Ao exigir mudanças, é imperativo esclarecer quais. Caso contrário, é um grito vazio e estúpido.

De acordo com a lógica de nossa história política russa, a segunda fase deve consistir na transição para o sistema de coordenadas russo. O sistema de coordenadas russo considera o Império a norma e a ausência do Império uma anomalia.

Putin corrige as consequências catastróficas do período de anomalia. Ele quase terminou. Além disso, ele nem mesmo “quase”, mas completou completamente.

No nível material, no nível do gerenciamento dos processos de centralização, Putin cumpriu sua tarefa. A anomalia foi neutralizada, como mencionei acima.

Agora estamos prestes a passar de uma situação de emergência de eliminação das consequências de um acidente político para a próxima etapa. E a próxima fase necessária é transmitir significado, espírito, ideias, diretrizes e imagens do futuro ao Estado russo. É aqui que estamos. Entre a primeira e a segunda fases da história política da Rússia moderna.

Mas a transição é sempre difícil. Parece que o início de um novo ciclo ameaça a perda e a perda dos resultados duramente conquistados na fase anterior. Com tanta dificuldade era possível neutralizar tudo, quão assustador e arriscado é reviver qualquer coisa. Afinal, a ideia, a ética e as pessoas são algo vivo e imprevisível. Assim, o passado e o presente se encontram na posição de inimigos do futuro. Eles não permitem que o futuro se torne realidade.

Todo o estresse desse problema de mudar as fases da história política recai sobre os ombros de Putin. Afinal, é ele o liquidatário do sinistro. E ele, como um salvador (mas ainda não um salvador), enfrentou essa tarefa extremamente difícil de maneira notável.

Mas agora há um problema muito difícil de resolver: ele será capaz de seguir em frente? Afinal, isso requer uma estratégia completamente diferente, um estilo de poder diferente e, finalmente, um sistema político diferente. O compromisso do monarquismo implícito por trás da fachada de simulação de democracia com muitos compromissos liberais e em combinação com uma elite sem princípios e imoral e uma completa ausência de justiça social na sociedade foi exaurido. Aquilo que era justificado e necessário torna-se, por sua vez, um obstáculo no caminho do próprio.

Putin está concluindo a primeira fase. Ele é capaz de passar para o segundo? E se não, quem fará o resto? Ele será capaz de cruzar o ponto de inflexão quando se tornar óbvio que a situação nunca mais voltará? Mas durante o período Medvedev, vimos com nossos próprios olhos que os anos 90 não estão tão longe de nós – e podem muito bem voltar.

Obviamente, é impossível continuar a fazer reparações de emergência do que já foi guardado, do que foi retirado do modo de acidente.

Essa é a agudeza do momento político atual. Porque, do ponto de vista da lógica formal, a tarefa de liquidar a catástrofe política dos anos 70-90 do século XX está resolvida. Resultados positivos foram alcançados. Com um olhar preocupado, andar com chaves de boca onde o cano não vaza é estranho. Além disso, isso também pode ser o início de uma nova decadência.

Precisamos de um novo nível de pensamento político, um novo formato de racionalidade soberana russa, uma imagem completa e inspiradora do futuro.

O sistema soviético tropeçou nisso no último período: não tinha uma imagem do futuro – ou simplesmente ninguém acreditava mais nele. E desabou, enredado no presente e na solução de infindáveis ​​questões técnicas que se revelaram insolúveis. É precisamente com a perda do horizonte do futuro, com a ausência de um estímulo inspirador e convincente para a existência histórica de uma grande nação que a catástrofe e a morte do grande Estado em 1991 estão associadas. Tudo isso corre o risco de se repetir.

Portanto, agora estamos entrando em uma zona difícil. Por um lado, Putin continua vencendo na política interna. Principalmente porque não há mais ninguém para vencer. Em geral, tudo funciona, se move. Nem sempre perfeito, mas comovente.

Por outro lado, o tempo começa a exigir algo diferente, algo que Putin nunca fez. Talvez essa não seja a tarefa de Putin. Mas visto que nas condições modernas ele – e somente ele – possui tudo completo – transcendental! – poder, então quem além dele? O resto foi neutralizado com sucesso.

Este é um ponto muito sutil. E Deus nos livre de passarmos por esse momento mais difícil e decisivo de nossa história.

Precisamos de um novo começo para o Estado russo. O Leviatã deve ser esclarecido pela ideia, deve encontrar uma nova regra – desta vez moral, isto é, verdadeiramente aristocrática! – a elite e tornar-se não um despótico mecanismo de coerção e escravidão, mas um instrumento do próprio povo, fazendo livre e soberanamente seu dramático e heróico caminho ao longo da história.

Fonte:  NEUTRALIZAÇÃO E SEUS LIMITES. SISTEMA POLÍTICO DA RÚSSIA MODERNA

Tradução: Carlos Henrique Gorniski Güntzel