GRA news
The rich live on the back of the poor.
They attack us globally. Our response should be global.
Enough. Let us help the weak, let us share. Be human.
GRA news
Money isn't the highest value. There must be something else.
They deny us our future. Let us deny them their rule.

Dugin: “Os eventos em Belarus são um Maidan apoiado pelos globalistas”

belluk

 

As manifestações contra Lukashenko em Minsk são evidentemente o começo de uma tentativa de revolução colorida. Não obstante, a mídia russa tem demonstrado um tom crítico em relação ao presidente de Belarus. Por que? Dugin aponta para qual pode ser a estratégia de Putin por trás da mídia russa.

Durante algum tempo não pude entender o que está acontecendo em Belarus. Por um lado, temos uma típica revolução colorida seguindo o padrão Soros. Por outro lado, o estilo de cobertura da situação na mídia russa – com críticas explícitas a Alexander Lukashenko – tem sido incompreensível. A história com o grupo Wagner revelou-se uma operação especial do GRU da Ucrânia. Isto esclareceu as coisas.

Agora as coisas se tornaram um pouco mais claras de modo geral. Moscou está descontente com a vacilação de Lukashenko sobre a Crimeia, Ucrânia e muitos outros pontos. Lukashenko está insatisfeito com Moscou por causa da pressão direta e ordens para conduzir os assuntos de Minsk com oligarcas-intermediários que não agradam a Lukashenko. As queixas mútuas se acumularam de ambos os lados.

Quanto às eleições, protestos e reação das autoridades – não há nada fora do comum aqui. Nos Estados Unidos está em curso uma verdadeira guerra civil entre as mesmas forças – BLM, feministas e outros batalhões de Soros contra o “ditador” Trump. Há sempre pessoas insatisfeitas. Mas os descontentes só encontram patrocinadores sérios em certos momentos politicamente e geopoliticamente agudos. O que está acontecendo em Belarus é uma Maidan apoiada pelos globalistas – não simplesmente pelos EUA, mas pelos globalistas, os mesmos que agora estão tentando derrubar Trump nos EUA.

E isto é absolutamente independente de Lukashenko ser mau ou bom. Esta é uma revolução colorida no interesse do agonizante mundo unipolar e do liberalismo em colapso. Ou seja, há um mal cristalino por trás daqueles que se levantam contra Lukashenko. Aquilo não é o povo. É a sociedade pós-moderna galopando para o abismo.

Mas de onde, então, vem a reação da mídia russa? É absurdo se comportar em assuntos tão sérios de acordo com o princípio do “bem feito!”.

A única explicação lógica para tal reação russa ao que está acontecendo em Belarus pode ser a seguinte cadeia de inferências:

  • Lukashenko irá longe demais (ele já exagerou em algumas coisas).
  • O Ocidente o marcará e começará a tentar derrubá-lo seriamente.
  • E ele não terá outra escolha senão recorrer a Moscou para obter assistência militar.

Além disso, a Lituânia e a Polônia podem se antecipar aos acontecimentos e representar uma ameaça militar direta a Lukashenko.

É quando e para onde enviaremos as tropas. Eles não foram realmente enviados à Ucrânia, mas no mínimo os enviaremos à fraterna Belarus.

Entendo muito bem que esta não é uma estratégia muito inteligente e não é particularmente sutil. Mas se esta não é a explicação, então não há nenhuma.

 

Fonte: Nova Resistência